Quem é que teve esta ideia? # 3

Ir ao ginásio sozinha e levar um mp3 pode ser muito perigoso. Há uma hipótese muito elevada de eu me entusiasmar com o que estou a ouvir e começar a dar um concerto enquanto ando na passadeira.  Posso perder a noção e começar a cantar (muito bem, por sinal!) em pleno ginásio.
Para acabar com isto, decidi desligar o aparelho e ir fazer exercícios de braços, mas neste momento há o perigo de eu não conseguir mexer sequer o iogurte!

História

Hoje, no fim do meu dia de trabalho vi isto.
Há muitas histórias. E depois há esta história.
O autor, Pedro Solís, inspirou-se na história verídica dos seus filhos e ganhou o prémio Goya 2014.


Mais cinco minutos

Acordo com comichão. São seis. Ainda posso dormir. Eu adoro dormir mas adoro ainda mais a sensação de saber que ainda posso dormir mais...vinte minutos. A sensação de dormir mais dois ou mesmo um só minuto seria igual. Poder dormir só mais um bocadinho.

"Acordaaaaaa"*1. Soa o alarme. São 6h20. Quero lá saber. Tiro um braço para fora do amontoar de mantas em que a minha cama se transformou. Está frio lá fora. Carrego no botão a que eu chamo "mais cinco minutos" e volto a meter o braço dentro dos lençóis. Quentes!

E mais cinco minutos. "Tá na horaaaaa". Soa o alarme. O raio do alarme outra vez. A berrar-me a esta hora! E só quero dormir. E penso nas trezentas e quarenta e três maneiras de partir a porcaria do telefone que me chateia! Mais cinco minutos. Todas as manhãs mais cinco minutos. Muitos cinco minutos! E depois esfrego os olhos. Penso no que vou vestir. Oh meu deus, o drama, o que vou vestir. Mais cinco minutos. Só para pensar. E depois, de mais cinco minutos, chego a horas!*2

*1Sim, o meu despertador grita "acorda" e "está na hora!" Sim.
*2 Sim, o meu despertador toca com meio ano de antecedência. Sim.


   

  

México, o outro lado do mundo # 4





































Tulum
É uma antiga cidade Maya rodeada por muralhas. Principal ponto de pesca e onde ocorriam as trocas comerciais. A praia é divinal!





























Cobá 
É também uma cidade maya cuja principal atração é a pirâmide de 42 metros de altura, que se vê na primeira imagem. Já a segunda é um campo de futebol. Os mayas jogavam com a anca, tentando colocar a bola entre os aros presos de cada lado, daí o "cenário inclinado".

Back again


Quando eles vieram a Portugal pela primeira vez, eu era demasiado nova para ir a concertos. Mas foi só dessa vez que fiquei a ver pela televisão. 
O Nick já não tem o cabelo "à tigela", o Kevin já foi e já voltou. Cada um teve a sua carreira a solo, já têm filhos. Cresceram. E eu também.
... Mas hoje é dia de voltar a ser adolescente. E "In a world like this", isso é muito bom.

                               




México, o outro lado do mundo # 3





































Isla Contoy
Para chegar à Isla Contoy é preciso ir de barco. É uma viagem agradável, a alta velocidade e em alto mar, onde pelo meio do caminho se pode fazer snorkel e ver o fundo do mar. Uma experiência incrível.
 A ilha é uma reserva natural, onde não se pode sequer fumar, não há água potável e há muitas espécies animais a preservar. A água não sendo quente é uma maravilha!

Segunda

"Pelas contas do rosário"...amanhã é segunda, "criaturas"?!
"Cadela"!




O mapa das histórias

Afinal já viajei muito. Era eu pequena e já tinha corrido o mundo. Secalhar por isso é que agora quero conhecer todos os lugares que antes via apenas sentada no sofá com as minhas personagens preferidas!

Eowyn Smith é a autora do mapa baseado no local onde ocorre a história, muitas vezes super explícito, como é o caso de Nemo, na Austrália, de Ratatouille, em Paris ou de Os cento e um dálmatas em Londres. O próprio nome O corcunda de Notre Dame, indica onde se passa a história e também me lembro dos Aristogatos e de A Bela e o Monstro estarem localizados sem dúvida em Paris. Essa foi a primeira cidade que eu quis conhecer.

O Rei Leão, Aladino, a Pequena Sereia...alguns dos meus preferidos e a viverem tão longe daqui!!!

Disney Map by theantilove
http://theantilove.deviantart.com/art/Disney-Map-207593214

Não esgravate a manteiga

Depois de ouvir a Mixórdia de Temáticas com o apelo "Não parta parvamente o pão", além de me rir muito, fiquei a concordar. É que, de facto, nunca me tinha lembrado disso porque ando demasiado ocupada a pensar em quem barra de forma completamente à balda a manteiga. Irritam-me as pessoas que tiram bocados em vez de passar suavemente a faca de um lado para o outro e de maneira uniforme no frasco da manteiga. O mesmo se passa com o frasco da marmelada ou da nutella. Para quê esgravatar? Porquê não cortar bocados direitos, milimetricamente iguais? 
Sempre que vou comer uma destas coisas acabo sempre por comer mais do que queria porque passo muito tempo a endireitar...


My valentine # 2

O ano passado escrevi "My valentine". É possível que hoje volte a fazer sentido.